Óleo de câmbio automático com Envernizamento

Óleo de câmbio automático com Envernizamento

June 13, 2017

 Este artigo analisa o mecanismo de formação de verniz e seus impactos nocivos nos sistemas de lubrificação, negando assim, definitivamente, todas as contra indicações de  trocar óleo das transmissões automáticas 

    

O verniz lubrificante é definido como uma fina película que se desenvolve em toda a parte interna de um sistema de lubrificação da transmissão automática ao longo do tempo.

 

É considerado um contaminante, composto predominantemente de degradação de derivados de petróleo e moléculas aditivas também degradadas. Embora uma ampla variedade de mecanismos contribua para a degradação do óleo, os três fatores mais comuns são a oxidação, degradação térmica e degradação química. A presença de verniz nos sistemas hidráulicos e de lubrificação causa danos sérios e caros.

 

A formação de verniz nos sistemas de lubrificação é um problema generalizado também nas indústrias, impactando negativamente na vida útil dos equipamentos e afetando as operações na linha de produção. O verniz aumenta o desgaste dos componentes, reduz o desempenho do equipamento e desperdiça recursos valiosos de manutenção.  A fim de aumentar a confiabilidade do equipamento, a Pradomatic têm buscado ferramentas para prever e eliminar a formação do verniz nos sistemas de lubrificação de transmissões automáticas, máquinas e equipamentos da linha produtiva.      

 

Os filmes envernizados aparecem em grande variedade de cores e consistências, variando de piche preto opaco aos depósitos de óleo gelatinoso. A presença de verniz em sistemas hidráulicos e outros componentes geram danos como:

 

 

 

 

  • Redução de folgas, afetando os regimes de lubrificação. Geralmente significa uma transição da lubrificação hidrodinâmica de condições mistas, com intensidade a aumentar as taxas de desgaste de bombas, rolamentos e engrenagens.

  • Aumento do atrito nos componentes, resultando em maiores exigências de energia e desgaste de superfícies.

  • Elevação de temperatura. A camada de verniz age como um isolante, reduzindo o efeito dos trocadores de calor e reduz a habilidade de resfriamento do lubrificante.

  • Restrição ou impedância do fluxo de óleo. O verniz pode causar entupimento em válvulas, filtros e pequenos orifícios.

  • Aumento de taxas de desgaste. O filme de verniz captura contaminantes rígidos, criando uma superfície abrasiva que acelera o desgaste. As superfícies lacadas muitas vezes têm aspecto de lixas, quando examinadas sob um microscópio. As consequências da contaminação por verniz são preocupantes, elevam as temperaturas de funcionamento e as taxas de desgaste , além de uma série de outros problemas onerosos.

Meios de graduação de estado de degradação e enverinzamento do fluído.

 

- Espectrometria ou Análise Elemental

 

A análise irá determinar o espectrógrafo de elementos metálicos em uma amostra. Embora alguns contaminantes metálicos possa agir como um catalisador na degradação do lubrificante, os subprodutos responsáveis pelo verniz são freqüentemente não-metálicos e, portanto, não podem ser diretamente identificados ou medidos utilizando este método.

 

- Viscosidade 

 

A viscosidade de um lubrificante pode aumentar a partir da polimerização da cadeia de hidrocarbonetos. O verniz normalmente ocorre muito antes de uma mudança significativa na viscosidade, não se consolidando como um útil indicador de que a degradação está ocorrendo. Portanto, a propensão de surgimento de verniz não pode ser determinada a partir de mudanças de análise isolada da viscosidade do óleo.

 

- Número Ácido

 

Número Ácido é a medida de componentes ácidos do lubrificante. Este teste é ineficaz para mensurar diretamente todas as maneiras de formação de verniz, porque alguns dos subprodutos produzidos durante a degradação oxidativa, térmica e química são não-ácidas.

 

 

- ISO 4406 - Contador de Partículas

 

A maioria dos engenheiros de confiabilidade depende de contagem de partículas para determinar a limpeza de seus lubrificantes. Como os vernizes são insolúveis no lubrificante, este teste detecta suaves aumentos dos níveis de contaminantes e são úteis na detecção de verniz nos lubrificantes. Porém, infelizmente, os contaminantes leves são geralmente menores do que um mícron. Na verdade, a grande maioria dos contaminantes insolúveis em lubrificantes está sob os limites de detecção em teste de contagem de partículas ISO. A norma ISO 4406 é um sistema de classificação de pureza hidráulica, que consiste no número de partículas de contaminação superiores a 2 microns, 5 microns e 15 microns numa amostra de 1 mililitro do fluído.

 

- Análise quantitativa por espectrofotometria

 

A Análise Quantitativa por Espectrofotometria é uma técnica de isolamento proposital e medição da degradação do lubrificante específico em subprodutos responsável pela formação de verniz. O processo começa por tratar a amostra do lubrificante com uma mistura química específica destinada a isolar o material de subprodutos insolúveis. Em seguida, um processo de separação recolhe o verniz formado a partir da degradação de produtos insolúveis. O processo termina com a análise espectrofotométrica sobre a degradação isolada do subproduto. Os resultados são apresentados em uma escala de 1-100 e indicam a avaliação do potencial do verniz lubrificante.

 

Fonte:

Esta Matéria foi parcialmente extraída do site Manutenção e Suprimentos

Título do artigo reproduzido (com link para a URL do artigo reproduzido)
Manutenção & Suprimentos (com link para www.manutencaoesuprimentos.com.br)

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Óleo de cambio automático não precisa trocar? somente completa o nível? Será verdade?

November 3, 2019

1/10
Please reload

Posts Recentes